Log in

Previstas mudanças no mercado da impressão, avaliado em € 159,2 biliões

Produção de impressão na Europa 2011-21
Produção de impressão na Europa 2011-21

Produção de impressão na Europa 2011-21
A Smithers Pira examinou o mercado de impressão europeu, que continua a ser um importante canal de comunicação, a competir pela atenção de milhões de consumidores no velho continente. No relatório The Future of European Printing to 2021, a consultora estima o crescimento da impressão da embalagem e o declínio da impressão de publicações.
 
Em 2016, o mercado de impressão em toda a Europa é avaliado em € 159,2 biliões, produzindo o equivalente a cerca de 13,2 triliões de impressões A4 e consumindo pouco mais de 68 milhões de toneladas de substratos de impressão. A embalagem representou 44,7% do mercado em valor em 2011, valor que deve subir para 56,6% até 2021.
 
O mercado de impressão, na Europa, é impulsionado pelas preferências de comunicação de cada indivíduo, que tem maior escolha na comunicação com novos canais, incluindo as redes sociais que substituem os produtos impressos. Isso é um caso severo para os jornais, revistas, livros, catálogos e outros produtos gráficos, embora aconteça menos com as embalagens, onde as propriedades físicas são fundamentais.
 
Muita impressão promove produtos e serviços onde é concorrente com outros meios de comunicação, com novos canais a agarrar parte da despesa, em detrimento da impressão em muitos casos. A Internet e as redes sociais, os canais digitais, incluindo o canal mobile, cresceram fortemente à medida que as marcas e retalhistas desenvolvem as comunicações com clientes e emergem novos canais de venda.
 
Há evidências de que a impressão continua a ser uma parte importante do mix, mas deve ser eficaz e competitiva em termos de custo para ser usada. O cenário da comunicação continua a desenvolver-se com figuras influentes na publicidade, que começam a questionar a eficácia de algum crescimento digital e pedem, cada vez mais, melhores métricas sobre a eficácia do digital.
 
A procura de impressão é conduzida por muitos fatores, mas o ambiente económico e as despesas publicitárias são importantes. Em toda a Europa, há uma grande incerteza dentro do cenário macroeconómico e isso determina grande parte da confiança no governo, negócios e indivíduos, e a capacidade ou desejo gastar dinheiro na impressão. A incerteza económica atormentou a Europa desde as sucessivas crises da zona do euro. Os governos tentaram muitas estratégias de austeridade para programas de gastos elevados, mas a incerteza permanece, deprimindo as despesas com a impressão.
 
A principal tendência positiva desde 2011 é o crescimento da impressão digital e, após 2014, uma entrada constante na produção convencional de embalagens. Isso contrasta com um declínio nos processos de impressão analógicos em geral, à medida que a transição digital continua e o volume de impressão é perdido em canais de comunicação alternativos.
 
Os mercados analíticos de impressão convencional caíram com um CAGR médio de 2,4% entre 2011 e 2016 em termos de valor constante, com quedas contínuas com uma média de 0,6% nos cinco anos até 2021. Em contraste, o valor do digital cresceu um CAGR de 6,8% entre 2011 e 2016, enquanto a previsão para 2021 é para um crescimento anual adicional de 3,5%.
 
Apesar da incerteza, a impressão continua a ser um importante canal de comunicação que está a competir pela atenção de milhões de consumidores europeus. Os métodos de produção estão a desenvolver-se com as novas tecnologias, que estão a ser introduzidas e que alteram os custos da produção de impressão em alta qualidade. A impressão continua a ser um grande negócio, com um crescimento real das embalagens impressas ao mesmo tempo que diminui a impressão de publicações e publicidade em toda a Europa.
 
O estudo The Future of European Printing to 2021 é baseado numa combinação aprofundada de pesquisa primária e secundária. A pesquisa primária incluiu entrevistas telefónicas com especialistas do setor em toda a Europa. Em seguida, foram realizadas entrevistas detalhadas para fornecer mais detalhes e antecedentes sobre respostas específicas. A pesquisa secundária baseou-se na análise do banco de dados abrangente da indústria de impressão da Smithers Pira. Foram recolhidas informações adicionais das associações de impressões nacionais e dos fornecedores de tinta e papel, bem como vários contatos de impressão em toda a Europa.