Log in

Heidelberg compra Gallus e reorganiza-se

A Heidelberg anunciou que vai fazer a aquisição do restante capital da Gallus, onde já detinha 30% desde 1999. A Gallus é uma das principais fornecedoras para a indústria de embalagem e etiquetas no Mercado, que em 2013 teve um resultado de 188 milhões de francos suíços (aproximadamente 153 milhões de euros) e conta com cerca de 500 funcionários.

Gerold Linzbach 03 jpg lrg
Gerold Linzbach 03 jpg lrg

Gerold Linzbach 03 jpg lrg

 

A aquisição acelera o desenvolvimento e a utilização de produtos digitais da Heidelberg no sector dos rótulos. No Outono, a Heidelberg e a Gallus vão lançar um novo sistema de impressão digital para o mercado de etiquetas que incorpora a tecnologia Fujifilm.

 

Nos próximos seis meses, a Heidelberg vai avaliar as linhas de produtos com fracas margens e, eventualmente, descontinuar alguns segmentos de produtos. A última fase da reorganização, iniciada há 18 meses quando o CEO Gerold Linzbach foi nomeado, visa uma margem de EBITDA de pelo menos 8% no próximo ano financeiro. A Heidelberg confirmou ainda que os números preliminares apontam para vendas na casa de 2,4 biliões de euros.


A Heidelberg anunciou um plano para cortar custos e consolidar as suas localizações ao realocar 500 funcionários ligados à administração da sede da Heidelberg para a fábrica de Wiesloch/Walldorf. O objectivo da mudança é criar um gigantesco demo center tanto para a impressão comercial como para o sector da embalagem. O que não ficou claro é se a empresa vai manter o edifício da Print Media Academy, inaugurado em 2000, altura em que se comemoraram os 150 anos da companhia.
Linzbach afirma que a Heidelberg vai procurar “soluções concretas” para investir ou adquirir novos negócios.


A parceria com a Fujifilm foi, também, expandida, com a Heidelberg a fazer a venda das chapas da Fujifilm no mercado da Escandinávia e um novo acordo vai levar a que a Fujifilm apresente os CtPs da Heidelberg como uma opção adicional, estando o acordo a ser tratado isoladamente em cada país.


“A Heidelberg do passado era famosa pela qualidade das suas máquinas de impressão. E queremos manter essa qualidade na engenharia. Mas a Heidelberg de amanhã também será conhecida pela qualidade dos seus serviços” referiu Linzbach, depois de explicar que o departamento de serviços já representa biliões de euros e ainda tem potencial de crescimento.