fbpx

c_900_600_16777215_00_images_2020_Ambiente_PROMOGIFT.jpg

Embora muitas empresas inscritas em outras áreas profissionais também se dediquem ao comércio de itens promocionais, o que não permite uma análise 100% fidedigna, os últimos dados mostram que o setor de Gifts está a retornar aos números que registava antes do início da crise. A informação é avançada pela organização da PROMOGIFT, que tem início a 14 de janeiro, na IFEMA em Madrid.

Esta é também a opinião de Gabriel Möese, presidente da FYVAR, a Associação de Fabricantes e Vendedores de Itens Promocionais e Publicitários, que tem mais de 500 membros, alguns dos quais se reunirão na nova edição da PROMOGIFT 2020. O evento, organizado pela IFEMA, será realizado entre os dias 14 e 16 de janeiro de 2020, no Hall 12.

Analisados os dados, pode dizer-se que o "momento de 2007", em que a destruição do setor foi estimada em 50% (em aproximadamente um bilião de euros de volume consolidado/anual de negócios), entrou para a história e a recuperação em 2019, em termos de números globais, está quase completa.

Outro aspecto relevante é o surgimento de atores comerciais que anteriormente tinham atividades paralelas ou convergentes. Em 2007, a maioria das empresas analisadas dedicou a atividade à comercialização exclusiva de itens promocionais, enquanto que atualmente o número é muito maior, com empresas que apenas se dedicam parcialmente a esta atividade.

Houve também uma mudança na dinâmica e no âmbito geográfico da atividade comercial das empresas. Se segmentarmos entre retalho e distribuidores, apenas 10% dos primeiros têm um escopo comercial além da Península Ibérica.

No entanto, o grupo de distribuidores é dividido entre grandes empresas com áreas territoriais de ação multinacional e essas empresas, já muito menores em termos de pessoal e faturamento, cujo escopo é basicamente local.

Actualmente, pode-se dizer que as 10 maiores empresas grossistas da Península Ibérica, facturam e empregam, no mínimo, o mesmo que o resto dos grossistas do mesmo local. Estas 10 empresas são filiais de multinacionais ou têm destaque, no mínimo, em toda a Europa.