fbpx

Durante um Webinar realizado pela Associação de Cervejeiros de Portugal, que abordou os desafios do setor cervejeiro e os impactos da pandemia do novo coronavírus no canal horeca, o chef José Avillez falou acerca das alterações que tem verificado nos seus restaurantes.

De acordo com o proprietário do grupo Avillez, a procura de produtos impressos terá uma redução drástica devido à alteração do comportamento dos consumidores.

José Avillez mencionou que, nos seus espaços, sempre reservou “alguns milhares de euros” por ano para a produção impressa de cartas de alta qualidade, havendo um grupo de colaboradores que se dedicava a garantir que a criatividade e a impressão estavam de acordo com a imagem que queriam transmitir aos seus clientes.

Jose Avillez

Atualmente, o chef Avillez verifica que, apesar de disponibilizar a carta impressa e plastificada, para uma melhor higienização constante, os clientes preferem utilizar os próprios smartphones para aceder aos conteúdos da carta e fazer o seu pedido, após a leitura de um código QR.

Em consequência, diz, o futuro poderá passar por uma digitalização maior nos serviços, em que os clientes utilizam aplicações para fazer pedidos, que poderão ser transmitidos de imediato para terminais localizados nos pontos-chave – como o bar, a cozinha ou a caixa – de forma a simplificar e agilizar o funcionamento do próprio serviço do restaurante.

A desvantagem, sublinha, é que além de não disponibilizarem um produto impresso cuidado, a digitalização poderá levar a que as unidades de restauração necessitem também, à medida que os processos digitais se popularizam, de equipas menores.

Infelizmente, diz, numa época “em que cada euro importa” e em que a restauração está a ser fortemente afetada, há que tomar decisões mais difíceis também.