fbpx
Login
Atualizado a 17 Apr, 2019

CGI investe em Trivor 2400: “Temos uma necessidade enorme de produzir em grande escala”

A Xerox e a CGI têm uma parceria de longa data

A Xerox Portugal e a CGI abriram as portas para mostrar a mais recente aquisição da empresa tecnológica: uma Trivor 2400. Instalada há cerca de dois meses, a nova máquina vem ajudar ao aumento da produtividade, sendo que o veredicto atual é o de que estão “muito satisfeitos” com a prestação.


“Já tínhamos experiência com a Impika e estávamos bastante contentes, mas notámos uma grande evolução em relação ao primeiro equipamento. Não só em termos de desperdício, mas também em relação aos tempos de set-up na mudança de trabalhos e na questão dos “Missing Jets”, que pode ser uma questão terrível. É um equipamento que, na nossa casa, não pára e temos uma necessidade enorme de produzir em grande escala”, refere Paulo Aradas, Vice-President Document Management Services Iberia, na CGI.

Trivor 2400

 “Nós lideramos o mercado, neste momento. Produzimos mais de um milhão de folhas por dia”, explica Paulo Aradas. A CGI em Portugal tem 1000 trabalhadores e na unidade de Sacavém, onde houve oportunidade para ver a máquina em funcionamento, estão aproximadamente 100. A trabalhar 24h nos sete dias da semana, a empresa fecha apenas um fim-de-semana por mês para as manutenções necessárias. Entre os vários serviços que presta, a CGI tem uma área de Printing & Finishing, onde o papel tem um lugar fulcral e a capacidade de produção é essencial, sendo nessa premissa que assentou o novo investimento.


A preferência recaiu sobre a Xerox, fornecedor de longa data. “Esta é uma parceria com cerca de três décadas”, explica José Esfola, diretor geral da Xerox Portugal.

Com cabeças Piezo drop-on-demand, a Trivor 2400 é uma máquina de impressão a jato de tinta que tem como grandes vantagens a “produtividade, a flexibilidade e a escalabilidade”, explica Paulo Carvalho, Diretor Comercial Produção & Graphic Arts.

Alimentada a rolo, está preparada para tratar de papéis revestidos e não revestidos sem qualquer tipo de tratamento primário ou adicional. Conta com a tecnologia de tintas que ajuda a otimizar a impressão consoante o substrato, ou seja, no processo de investimento, o cliente irá optar por tintas de alta densidade, denominada High Density Ink, ou pelas High Fusion Inks. As primeiras estão otimizadas para os papéis não-revestidos permitindo o controlo da absorção da tinta. Serão as mais adequadas para as empresas que fazem muita obra de livro ou catálogos, por exemplo, em papéis offset. Já as segundas, as High Fusion Inks, ajudam a conseguir o melhor resultado nos papéis couché, sem necessidade de tratamentos ou preocupações adicionais.

As tintas podem ser substituídas durante o processo de produção. Cada garrafão tem capacidade para 20 litros


Com capacidade de produção de 168 metros por minuto e capacidade de variar os picolitros na impressão, estão disponíveis vários modos de qualidade- uns mais rápidos e outros menos – onde é possível selecionar, por exemplo, o modo Very High Quality.


Apesar de ter capacidade para imprimir tudo o que um documento exige, e de ser um dos maiores consumidores de papel do país, a GCI continua a dar espaço para que os clientes forneçam os documentos pré-impressos, oriundos de outras empresas gráficas, de modo a proteger a cadeia de valor da indústria. Fazem depois apenas a impressão dos elementos variáveis a pedido do cliente. A cargo da empresa fica também a expedição de todo o material, realizada durante quatro momentos distintos de cada dia, sempre com recurso a camiões TIR, dado o volume elevado da mesma.

Portefólio Xerox

 

Com presença em 20 países e a lidar em mais de 10 setores diferentes, a CGI está organizada em diferentes áreas. Na Metro Market, a empresa tem uma área de negócio transversal, com equipas locais dedicadas a diferentes setores como Energia & Utilities, Serviços Financeiros e Comunicações, Indústria e Setor Público. A área de Global Delivery Center em Portugal trabalha com outros centros espalhados pelo mundo. Na área Business Process Outsourcing, a CGI é responsável pela implementação de um modelo de negócio baseado na transformação de operações recorrendo à automação de processos, ajudando ao processo de digitalização, fazendo coexistir modelos mistos e híbridos em que humanos e robots trabalham em simultâneo com o mesmo ambiente. A área de Global Technology Operations trabalha os serviços de gestão e outsourcing de infraestruturas. Por último, a empresa conta com uma área de Document Management Services com cerca de 90 membros e instalações em Portugal e Espanha. É a área responsável por Document Engineering, para composição de documentos e de marketing, assim como de Printing & Finishing, onde fazem a impressão, envelopagem e expedição de documentos. Em Portugal, a CGI tem escritórios em Lisboa, Sintra, Sacavém, Odivelas e Porto.